Acamares – Resistindo e Incidindo em Políticas Públicas

Sonia Dias e Ana Ogando

APRIL 6, 2018

Como parte das atividades do Projeto Cuidar de mapeamento de riscos de saúde que afetam catadores e catadoras, a WIEGO tem realizado visitas de campo complementares para levantamento de impressões sobre o projeto, registro de histórias pessoais e documentação fotográfica, tanto em cooperativas que participaram diretamente da pesquisa quanto nas que foram indiretamente envolvidas via discussões internas na central de cooperativas Redesol. No dia 05/04/18 visitamos a cooperativa Acamares em Sarzedo, região metropolitana de BH.

Nesta visita conhecemos a história da Acamares e conversamos sobre questões como saúde, cuidado infantil, coleta seletiva, políticas públicas e arte-educação. A história da Acamares, que foi fundada há 4 anos, demonstra como a aposta no aprofundamento da democracia interna do grupo e no aprimoramento da gestão interna e investimento numa política de comunicação podem oferecer oportunidades de trabalho, renda e cidadania.

O grupo que tem 10 membros luta, no entanto com o problema da rotatividade, por conta da ainda baixa remuneração já que no município a coleta seletiva solidária, ou seja, realizada  pelos catadores, ainda não foi implantada. O grupo registrou com apreço o apoio da municipalidade através de cessão de galpão, pagamento de água e luz, entre outros, mas como sabemos sem uma coleta seletiva eficiente e que contrate as cooperativas a sustentabilidade das
cooperativas fica comprometida.

A Acamares tem vários membros com filhos ou netos em idade que demanda atenção especial. O município dispõe de um bom sistema de creches comparado com outras cidades, mas mesmo assim, a questão do cuidado infantil foi mencionado como um problema já que a baixa remuneração limita as possibilidades de cuidado integral em itens como saúde infantil, entre outros.

Um dos destaques do trabalho da Acamares é sua percepção do papel da comunicação e da arte na conscientização ambiental. Ressalta-se, também, a percepção aguda de como as questões de raça e gênero comparecem na vida e no trabalho dos catadores e catadoras e ações específicas são realizadas para tematizar essa questão.

No contexto cada vez mais crescente de grave crise ambiental é necessário que os gestores públicos reconheçam concretamente a relevância da reciclagem popular, realizada com catadores, como uma das alternativas na busca de soluções para o grande dilema que a humanidade enfrenta. É bom lembrar aos gestores públicos que a aprovação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, em 2010, preconiza a contratação das cooperativas de catadores para realização da coleta seletiva.

Nos chama a atenção o interesse da Acamares na aplicação dos indicadores de sustentabilidade PICS – Plataforma de indicadores de sustentabilidade da coleta seletiva. Isso denota um comprometimento com a sistematização de informações e com a transparência da gestão e uma maturidade para se engajar numa relação formal de parceria com o município, via contrato.

Senhores gestores, contratem a Acamares!!